Plantão Policial

Menino morto asfixiado pelo amigo enviou mensagem para a avó: 'vou passar o fim do ano com você'

Ryan Rodrigues, de 10 anos, estava desaparecido e foi encontrado morto em uma região de mata, próximo a um córrego. O amigo confessou o crime.

O menino de 10 anos que foi morto por um amigo em Tangará da Serra, a 242 km de Cuiabá, enviou uma mensagem para a avó paterna dias antes do crime. 

Ryan Rodrigues estava desaparecido desde a última quinta-feira (17), e o corpo dele foi encontrado pela Polícia Civil nesse domingo (20).

Antes do sumiço do garoto, ele enviou áudios em um aplicativo de mensagens para a avó paterna.

"Oi vó bença, como vocês estão? Então vó, vou passar o fim do ano com você, guarda picolé para mim", disse.

A avó responde que vai guardar muitos picolés para Ryan.

"O pé está carregado de amora, vai ter bastante coisa para você comer. Os homens vão colocar internet aqui em casa. E sua mãe, está bem?", disse.

De acordo com o delegado da Polícia Civil Gustavo Espíndula, a tia do menino registrou um boletim de ocorrência comunicando o desaparecimento, e as equipes iniciaram as buscas.

Ainda conforme a Polícia Civil, o desaparecimento de Ryan foi comunicado à corporação somente na tarde de sexta-feira (18). Por isso, o padrasto da vítima chegou a ser detido por abandono de incapaz, devido à demora na comunicação do caso, mas foi liberado, posteriormente.

No sábado (19), o delegado disse que os policiais pediram imagens de câmeras de segurança de estabelecimentos próximos e utilizaram drones para procurar o garoto em regiões de mata.

Segundo a polícia, o adolescente suspeito, que ajudava nas buscas pelo menino, teria confessado o crime.

"Surgiu algumas contradições do amigo que tinha visto Ryan por último. A princípio, ele convidou o Ryan para tomar banho no córrego e disse que a motivação seria um possível bullying, mas isso não está claro. 

Ele possivelmente afogou o Ryan e deu duas pedradas na cabeça dele. Depois, arrastou o corpo do garoto por 12 metros na mata", disse.

A motivação do crime ainda será investigada.

Fonte: G1