Plantão Policial

Ações baratas podem ser a porta de entrada para investir na Bolsa


Mais de 70 ações listadas na Bolsa de Valores (B3) iniciaram o ano com valor abaixo de R$ 5, de acordo com levantamento realizado pela Economática. A informação desmistifica a ideia de que esse tipo de investimento é direcionado exclusivamente para grandes investidores. Porém, o mercado alerta que não é só o preço que deve ser considerado na hora de escolher um ativo.

Reinaldo Domingos, presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), orienta que o investidor avalie não só os recursos disponíveis, mas também os planos que pretende realizar antes de decidir onde investir. “De modo geral, o melhor lugar para aplicar seu dinheiro depende de quanto você possui e de quanto tempo pretende deixá-lo aplicado", alerta.

Domingos explica que também é preciso considerar os riscos das operações. Investidores com perfil conservador priorizam a segurança em relação à rentabilidade. Já os moderados aceitam correr um risco maior a fim de aumentar o retorno financeiro, enquanto os arrojados colocam a lucratividade da operação em primeiro lugar. 

Ações são investimentos em renda variável — modalidade que confere mais riscos ao investidor em comparação com a renda fixa, mas que oferece a possibilidade de maior retorno financeiro. Por isso, os ativos não são aconselháveis para quem tem perfil conservador.

Como analisar as oportunidades

O preço mais baixo de uma ação pode ser um atrativo para ingressar na bolsa de valores. Para uma escolha assertiva de qual papel adquirir, a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) recomenda pesquisar sobre as companhias listadas na B3 e estudar o mercado financeiro.

Ao comprar uma ação, o investidor torna-se sócio da empresa. Portanto, o retorno financeiro fica atrelado ao desempenho da companhia. A Anbima afirma que é necessário analisar a gestão interna e as variações econômicas para identificar as melhores oportunidades. Isso pode ser feito por meio de análise técnica do balanço financeiro da companhia, do comportamento do setor de atuação e das informações gerais do mercado.

A partir de uma análise técnica, é possível saber se uma ação com preço mais barato tem a possibilidade de se valorizar com o passar do tempo ou se já é um indicativo de um processo de desvalorização que vai perdurar. Os investidores podem contar com o suporte da corretora de investimentos para realizar a análise técnica. Para investir nesses papéis, é preciso ser cadastrado em uma para dar as ordens de compra e venda na B3.

Volume de negociação

Entre as ações que integram o levantamento da Economática, dez se destacaram por apresentar maior volume de negociações no início do ano. Na lista estão VIIA3 (Via), CASH3 (Méliuz), OIBR3 (Oi), COGN3 (Cogna Educação), CIEL3 (Cielo), IRBR3 (IRB Brasil RE), RCSL3 (Recrusul SA), AMAR3 (Lojas Marisa), POMO4 (Marcopolo SA Preference Shares) e DMMO3 (Dommo Energia SA). 

A informação é um indicativo de possibilidade de crescimento, uma vez que identifica maior demanda por esses ativos. No mercado de ações, há a prevalência da lei da oferta e da procura. Quando um ativo atrai mais compradores, ele passa por um processo de valorização.