Plantão Policial

Morre aos 7 anos, Artur Oliveira que lutava contra uma doença genética rara


Lutando contra uma doença genética rara chamada cistinose, Artur Oliveira Silva, 7 anos de idade, morador de Feira de Santana, morreu no dia 7 de fevereiro em Belo Horizonte no estado de Minas Gerais, onde estava junto com a família, realizando tratamentos e aguardando na fila por um transplante dos rins.

Muito abalada, a mãe do guerreiro Artur, Graziele da Silva Oliveira, contou ao Acorda Cidade que o filho lutou pela vida até o último segundo, sendo acompanhando em várias unidades hospitalares.

"Meu filho já estava sofrendo desde muito cedo, essa doença afetava todos os órgãos que podemos imaginar e a cada dia, infelizmente vinha piorando a situação dele. Desde o mês de novembro do ano passado, eu já estava percebendo que meu filho não era mais o mesmo, ele estava sendo acompanhado no Hospital Roberto Santos em Salvador desde o mês de maio. Antes desse período, ele recebia o tratamento aqui no HEC em Feira de Santana, chegou até fazer hemodiálise", informou.

Ao ser transferido para Salvador, Graziele explicou que teve o conhecimento que a doença de Artur poderia ser tratada em Belo Horizonte e sem pensar duas vezes, decidiu iniciar o tratamento fora do estado.

"Quando eu estava em Salvador, cheguei a conhecer uma senhora através de um grupo de mães e ela me indicou que o tratamento em Belo Horizonte poderia ser mais rápido para meu filho e eu não pensei duas vezes, meu filho estava sofrendo muito, já não suportava as dores. Largamos tudo aqui na Bahia e seguimos para lá", disse.

Infelizmente o tratamento que estava sendo feito, não evoluiu positivamente e Artur faleceu no dia 7 de fevereiro. Por conta do translado, o sepultamento só foi realizado no dia 10 em Feira de Santana.

"A minha dor de mãe está insuportável porque a saudade é grande, eu que tanto lutei pelo meu filho, mas sei que essa foi a vontade de Deus e que assim, sempre seja feita a vontade dele. Artur deixou um legado aqui na Terra, ele teve forças, foi firme e forte, porque meu filho era minha alegria", concluiu.

Diante do fato, os familiares do guerreiro Artur precisam retornar para Belo Horizonte e buscar todos os pertences que foram deixados na capital mineira. Sendo assim, decidiram criar uma campanha para arrecadar fundos e efetuar a compra das passagens. Com informações do Acorda Cidade.