Plantão Policial

DICA: Como negociar aluguéis durante a pandemia

A Covid-19 causou um grande impacto mundial. Essa situação, além de afetar a área da saúde, também desestabilizou a economia. Por isso, pedir a negociação de aluguéis durante a pandemia é uma saída para diversas pessoas.

Com o isolamento social e o fechamento dos comércios, muitos sofreram com a diminuição das suas rendas. Portanto, nesse momento delicado, é ainda mais importante manter a colaboração entre todos para evitar uma ação de despejo.

Dicas para negociar aluguéis durante a pandemia

Antes de conseguir comprar o primeiro imóvel, o aluguel é uma das contas mais altas de uma casa ou um apartamento. Sendo assim, nessa crise global, pode surgir a dificuldade para honrar com as despesas habituais.

Para o locatário também não é interessante que o inquilino saia do imóvel alugado. Então, diante dessa calamidade pública, é possível alegar motivos de força maior para reduzir ou até mesmo suspender as mensalidades por um período. Agora, confira as dicas.

1. Converse e explique sua situação

O primeiro passo da sua negociação é entrar em contato com o proprietário. Faça isso com antecedência, se possível, antes do aluguel vencer. Outras opções são falar com o representante legal ou a imobiliária.

Ao fazer isso, explique o que está impedindo que você pague o aluguel nesse momento. Dê todos os detalhes que puder e ofereça uma previsão de pagamento. Fale também se você vai atrasar toda a parcela ou se pode pagar apenas uma parte.

2. Negocie extrajudicialmente o valor do aluguel

Nesse período sempre se lembre de que todos estão sofrendo o impacto, inclusive o locatário. Por isso, procure resolver a questão de forma amigável e tranquila para ambos.

Afinal, para o dono do imóvel é melhor recorrer a uma negociação do aluguel durante a pandemia. Isso evita o encerramento do contrato e todas as burocracias envolvidas. Fora a perda dessa renda para ele também.

3. Faça um acordo entre as partes

A Lei do Inquilinato, no artigo 18, fala que há como ter um novo valor do aluguel a qualquer momento. Para isso, basta firmar um acordo comum, que pode até mesmo modificar a cláusula de reajuste anual.

Dessa forma, é possível conseguir um desconto no aluguel durante os meses que decidirem. Outra opção é ajustar esse desconto para pagamento posterior. Ou seja, caso haja uma redução de 30% do aluguel, esse valor será pago depois do tempo combinado, integral ou parcelado.

4. Registre todo o combinado

Para que não haja nenhuma dor de cabeça futura, documente todo o acordo com o locatário. É importante que esteja claro o que as partes combinaram. Por isso, salve as conversas.

Você pode fazer um documento formal, registrar as mensagens trocadas ou guardar os e-mails. Caso o proprietário decida exonerar a multa por atraso ou deixar para um pagamento depois do prazo estabelecido, isso também deve estar registrado.

5. Use o depósito caução

Muitas pessoas querem saber se o valor de dois ou três meses pago no início do contrato pode ajudar nesse momento. O depósito caução é uma garantia diante de algum problema na locação. Por isso é devolvido ou abatido nos últimos meses de aluguel.

Logo, para que o depósito cubra os períodos de atraso durante a pandemia, basta haver um acordo entre o proprietário e o locador. Então, também deve ficar claro que o locatário concorda em continuar com o contrato mesmo após o uso do depósito caução. 

Sendo assim, mantenha esses tópicos em mente na hora de negociar aluguéis durante a pandemia. Se todos colaborarem, será mais fácil passar por essa fase complicada para o mundo inteiro.