Plantão Policial

Protestos por morte de homem negro se espalham nos EUA

Reprodução Twitter @RedeInfoA
A cidade de Minneapolis, nos Estados Unidos, foi palco nesta 4ª feira (27.mai.2020), pela segunda noite consecutiva, de violentos protestos devido à morte de um homem negro durante uma ação policial. Os manifestantes pediam justiça e exigiam a prisão do agente que asfixiou com o joelho George Floyd, de 46 anos, na 2ª feira (26.mai.2020).

Os atos, inicialmente pacíficos, reuniram milhares de manifestantes e acabaram em confrontos com a polícia, que disparou balas de borracha e gás lacrimogêneo. Em resposta, alguns participantes do protesto lançaram garrafas e outros objetos. Na confusão, lojas foram saqueadas e incendiadas. De acordo com o jornal americano Washington Post, uma pessoa foi baleada pelo proprietário de um estabelecimento e morreu.

Os protestos também se espalharam para outras cidades. Em Los Angeles, centenas de manifestantes fizeram uma marcha pelo Centro Cívico e chegaram a bloquear temporariamente uma rodovia, provocando confronto com a polícia. Uma viatura foi vandalizada e pelo menos uma pessoa ficou ferida. Em Memphis, cerca de 100 pessoas fecharam uma avenida. Ao menos duas pessoas foram presas.

O prefeito de Minneapolis, Jacob Frey, que já havia anunciado na terça-feira o afastamento dos quatro agentes envolvidos no incidente, pediu agora a detenção do responsável. “Nas últimas 36 horas lidei com uma questão fundamental: por que o homem que matou George Floyd não está na prisão?” disse Frey. “Não vi ameaça. Não vi nada que sinalizasse que esse tipo de força era necessária”, acrescentou.

A congressista Ilhan Omar, que representa a cidade de Minneapolis, também defendeu que o policial seja acusado de homicídio.

Floyd morreu depois de ser detido por suspeita de ter tentado pagar uma compra com uma nota falsa de 20 dólares em um supermercado. Imagens de celular gravadas por uma testemunha mostram Floyd deitado ao lado da roda traseira de um veículo, com um oficial branco prendendo-o ao asfalto, pressionando com seu joelho o seu pescoço. A vítima pode ser ouvida gemendo repetidamente e ofegando enquanto implora: “Por favor, eu não posso respirar, por favor, cara”.

Depois de vários minutos, Floyd gradualmente vai ficando quieto e deixa de se mexer. O policial não tira seu joelho do pescoço de Floyd até ele ser colocado numa maca por paramédicos. Uma ambulância levou Floyd a um hospital, onde ele morreu pouco tempo depois.

“Quero que esses policiais sejam acusados de assassinato, porque é exatamente isso o que eles fizeram, cometeram o assassinato do meu irmão”, disse a irmã da vítima, Bridgett Floyd, à emissora de televisão NBC.

A polícia alegou que o homem resistiu à prisão, mas novas imagens, captadas pelas câmaras de um restaurante em frente ao local onde ocorreu a detenção, mostraram Floyd sendo conduzido à viatura policial, de mãos algemadas e sem oferecer resistência.

A chefe da polícia de Minneapolis, Medaria Arradondo, disse que o departamento vai conduzir uma investigação interna. Na cidade, o regulamento do uso de força do departamento permite que um agente se ajoelhe no pescoço de um suspeito, como “opção de força não letal”. De acordo com o mesmo regulamento, os “oficiais devem usar apenas a quantidade de força necessária”.

O FBI está conduzindo uma investigação federal, a pedido da polícia de Minneapolis. Já o sindicato da polícia pediu ao público que espere pelo desenrolar da investigação e que não “se apresse em julgar e condenar imediatamente os policiais”.

Personalidades da política, da mídia e do esporte denunciaram a violência injustificada da polícia contra os negros. “É um lembrete trágico de que este não é um incidente isolado, é parte de um ciclo de injustiça sistemática que ainda persiste em nosso país”, disse o ex-vice-presidente e candidato democrata à presidência, Joe Biden, que também comparou esse caso à morte de Eric Garner em Nova York em 2014.

Há seis anos, Garner foi detido desarmado em Nova York e morreu após ser mantido em posição de estrangulamento por um policial branco. Garner repetia: “Eu não consigo respirar”. A frase se tornou mote para uma série de protestos contra violência policial contra negros e outras minorias. Garner estava sendo preso por vender ilegalmente cigarros avulsos na rua.

A estrela da NBA, LeBron James, postou no Instagram a foto do policial com o joelho no pescoço de Floyd, juntamente com outra fotografia  de Colin Kaepernick, ex-jogador da NFL, que ajoelhou-se durante o hino dos EUA em protesto contra a violência com negros. Com informações do Portal MSN.