Plantão Policial

O que é a dieta do DNA?

O que é a dieta do DNA?

Os cientistas da genética falam há vários anos da dieta do ADN. Estas rotinas alimentares baseadas no estudo dos genes propõem que as pessoas deveriam consumir alimentos conforme o seu código genético.

Muitos cientistas dos campos de nutrição e genética se dedicaram a pesquisar sobre este tema como uma forma de realizar avanços na área de nutrição. O que é relevante nestes estudos é que as pessoas podem manter seu peso ideal a partir de um exame de sangue. Além disso, a exploração de genes pode ser fundamental para a prevenção de doenças para as quais as pessoas podem ser propensas por causa de sua composição genética.

Dieta de DNA, o que é?

As dietas genéticas ou a dieta de DNA são programas alimentares feitos por especialistas em nutrição depois de tomar uma amostra de sangue e realizar as respectivas análises. É uma dieta baseada nas particularidades genéticas de cada pessoa, ou seja é personalizada.

Esta é a abordagem atual da nutrigenômica, trata-se de incorporar todos os dados que os genes fornecem e sua expressão para melhorar a nutrição do ser humano.

Ao recolher uma amostra de sangue, é realizada uma análise nutricional exaustiva em que se estudam 19 genes específicos através de sistemas informáticos especializados. Através destes meios tecnológicos obtêm-se as observações sobre as necessidades específicas de cada paciente.

O sistema fornece alguns resultados e em seguida fornece-lhe a dieta que deve seguir para mantê-lo saudável. Com o exame médico, é também realizada uma análise ao sangue que permite observar quais são as variações nos genes MTR e VDR, associadas com doenças cardiovasculares e doenças ósseas.

O objetivo da análise é prevenir certas patologias, detectar se requer consumir maior quantidade de vitamina B, cálcio ou vitamina D, e determinar os nutrientes ou alimentos que a pessoa precisa aumentar ou diminuir na dieta individual.

Estados Unidos, Reino Unido e Canadá

Em países como os Estados Unidos, o Reino Unido e o Canadá, este novo método clínico já é aplicado, e mesmo muitas empresas prestam o serviço para ajudar as pessoas que sofrem de obesidade e a população em risco de sofrer de patologias genéticas.

A nutrigenômica continua em evolução, e até agora os cientistas têm-se dado à tarefa de investigar e aprofundar a este respeito. Na Europa, por exemplo, já existe uma rede de especialistas, alguns dos quais muito conhecidos em várias áreas científicas e com vasta experiência mundial.

A organização europeia de nutrigenômica (NUGO) tem sido pioneira neste tipo de investigação, sendo considerada pela Comissão Europeia Internacional como uma rede de grande excelência investigadora.

Atualmente a organização se ocupa da formação e preparação em diferentes âmbitos científicos relacionados com a genética e a nutrição.

Nutrigenômica: A revolução da nutrição

Em Espanha a nutrigenômica tem muito auge, os especialistas se encarregaram de implementar programas de cursos especializados, mestrados e doutorados em várias universidades para promover e transmitir conhecimentos relacionados com nutrição, biotecnologia, biologia molecular e genética.

Definitivamente, a nutrigenômica é vista como um projeto que pode revolucionar o mundo da nutrição no futuro. Os peritos já começaram a apresentar trabalhos que estabelecem normas clínicas e éticas claras antes que a genômica se aprofunde.

No entanto, foi esclarecido em muitas ocasiões que, por enquanto, os testes genéticos são indicadores aproximados e não são 100% assertivos. É prematuro, imprudente e arriscado afirmar que com as dietas resolverá todos os problemas de saúde. Enquanto isso, os estudos continuam e se espera continuar evoluindo no campo da nutrição.