Plantão Policial

Jovens criam games e abrem o próprio negócio de sucesso

Jovens empreendedores (foto: icmc.usp)
Talvez a 10 anos atrás fosse impensável pensar em lucrar com jogos online, não é mesmo?  Porém essa forma de empreender vem se tornando cada vez mais adotada, principalmente pelo público jovem, que entende que o game que ele se diverte hoje, pode acontecer com outro amanhã, porém com uma fonte de lucro acrescida.

É exatamente isso o que Tales Sampaio, ex-aluno da USP fez. Saiba que se você joga Grand Shooter, é graças a este rapaz. Veja mais detalhes de como foi a criação para o game:

Fase de desenvolvimento de Grand Shooter

O rapaz se inspirou em jogos que já tinha habilidades, como Time Crisis e Virtual Cop, ambos com gráficos 3D e de RPG. Capacitou a jogabilidade do game tanto para PC como Smartphone, parecido com que o acontece no FreeFire.

Ele começou a desenvolver o jogo em 2015 e terminou 1 ano depois. Decidiu fazer por conta do seu trabalho de conclusão de curso da Universidade, e definiu que as prioridades do game seriam parecidas com o que ele aprendeu na Universidade e o que já estava acostumado “Espero que o game rode perfeitamente e que as animações estejam legais”, completou durante o período de pré-lançamento.

Hoje para quem baixa o jogo através do app, encontra tanto em versões IOS como Android. O ICMC foi o grande diferencial para fazer com que o jogo rodasse em ambas as plataformas, possibilitando aos usuários jogarem de onde estiverem com uma conexão de Internet.

O mercado de games tende a aquecer ainda mais

Assim como Tales desenvolveu o seu próprio game para a apresentação do TCC, o mercado possibilita a atração de diversos públicos, dos mais aos menos experientes. Hoje em dia nas universidades, institutos e graduações EAD, a faculdade de Ciência da Computação ganhou um ar de empreendedorismo e não apenas para garantir uma vaga no mercado como técnico em informática.

Aliás valendo sobre este mercado que está em expansão, encontramos JulioTrasferetti, que é aluno do curso de Ciências da Computação assim como Tales. Ele é o responsável por desenvolver o jogo RUN, que foi lançado no ano de 2016, e se encontra disponível para PC, Playstation e XBOX.

Ele conta que o primeiro passo que precisou dar no desenvolvimento do jogo foi no ano de 2015, quando abriu a sua MEI na cidade de Indaiatuba, no interior de São Paulo. Registrou a sua empresa como Torch Games, e começou o seu projeto apenas pensando em projetos básicos.

Felizmente Julio conseguiu sucessos com suas criações e hoje trabalha com parceiros em mais de 5 países, inclusive nos Estados Unidos. Para o jogo RUN ser concluído, ele ainda conta que precisou de parcerias junto a Sony e Microsoft, pois estas gigantes aceitam propostas de qualquer desenvolver nos 4 cantos do planeta.

Agora que você já sabe de histórias como a do Tales e Julio, já está mais do que na hora de colocar o seu talento para jogar games no auge do mercado.

Informações prestadas por Henrique Fontes, Assessoria de Comunicação da ICMC.