Plantão Policial

Fisioterapia intensiva no Combate ao Coronavírus

O Coronavírus tem sido o assunto mais falado em 2020,o vírus foi descoberto em dezembro de 2019 na cidade de Wuhan na china e a partir daí ele começou a se espalhar pelo país e até mesmo cruzar fronteiras, e em menos de um mês já haviam casos em 16 países.

Existem sete tipos de vírus neste grupo, em 2002 houve um surto do coronavírus SARS que deixou 774 pessoas mortas, em 2012 o coronavírus MERS matou 800 pessoas. O grupo recebe este nome devido ao formato do vírus que lembra uma coroa, são denominados vírus de RNA, são aqueles que infecta os humanos e usam as células do hospedeiro para replicar este material genético e se espalhar pelo corpo. Todos estes vírus foram passados de animais para humanos, os animais são as alpacas, bovinos, camelos e principalmente os morcegos. As formas de contágio de pessoa para pessoa são através do espirro, tosse ou contato físico, estudos comprovam que uma pessoa infectada pode passar para três a cinco pessoas, podendo ocorrer antes do paciente ter os primeiros sintomas e até o presente momento não existe uma vacina ou medicamento que seja eficaz.

Apesar da maioria das pessoas apresentarem sintomas leves outras podem apresentar mais graves inclusive levando a morte. Quanto maior a faixa etária, portadores de doenças cardiovasculares, diabetes, doença pulmonar obstrutiva crônica, possuem maior chance de elevar a gravidade, essas pessoas podem apresentar um quadro de pneumonia progressiva até um quadro de insuficiência respiratória, evoluindo para uma síndrome respiratória aguda grave, insuficiência renal e possivelmente ao óbito.

Para os pacientes mais graves é necessário o auxílio de um respirador mecânico e uma equipe multidisciplinar para prestar os devidos cuidados a este paciente, dentro desta equipe destacamos os fisioterapeutas intensivistas, que são responsáveis em manusear estes respiradores.

A IMPORTÂNCIA DO FISIOTERAPEUTA INTENSIVISTA NO TRATAMENTO DO CORONAVÍRUS

Fisioterapia Intensiva é aquela que coloca o profissional apto a lidar com paciente crítico, grave e em suporte ventilatório, ficando responsável por toda manutenção da assistência ventilatória além de intervenções terapêuticas focando em dois fatores principais que são: Respiratório e Motor.

Como foi citado anteriormente, a pessoa contaminada pode ou não apresentar sintomas e estes podem ser leves ou até muito graves, e estes que apresentam os sintomas é imprescindível o tratamento de um especialista para minimizar os sintomas das doenças pulmonares que o vírus pode causar.

O Fisioterapeuta irá atuar com exercícios respiratórios para melhorar a capacidade e função pulmonar, atuam fazendo higiene brônquica para evitar o acumulo de secreções nos brônquios pulmonares dificultando a respiração, fazem exercícios específicos para ganho de força muscular para aqueles que ficarão acamados, oxigenoterapia, ventilação mecânica invasiva e não invasiva que são os “pulmões” artificiais responsáveis no bombeamento de gazes mantendo o paciente respirando.

Podemos entender como é importante a atuação da Fisioterapia Intensiva e o quão importante em ter este profissional na equipe seja ela hospitalar ou empresas para atuar com a prevenção de diversos problemas de saúde.