Plantão Policial

Faustão deu conselhos a Juiz Sérgio Moro, revelam novas mensagens vazadas

O apresentador Fausto Silva, o Faustão, parabenizou a atuação do ex-juiz Sergio Moro diante de sua atuação frente à operação Lava-Jato e até deu conselhos ao magistrado.

A conversa com o apresentador da TV Globo foi relatada por Moro em um diálogo com o procurador Deltan Dallagnol, revelado nesta sexta-feira (5) pela revista Veja, em parceria com o The Intercept Brasil.

Em 7 de maio de 2016, Moro confidencia a Dallagnol em mensagens via Telegram que foi procurado por Faustão. O apresentador o cumprimentou pelo trabalho na Lava-Jato e deu um conselho ao magistrado.

“Ele disse que vcs nas entrevistas ou nas coletivas precisam usar uma linguagem mais simples. Para todo mundo entender. Para o povão. Disse que transmitiria o recado. Conselho de quem está a (sic) 28/anos na TV. Pensem nisso”, escreveu Moro

O apresentador foi procurado pela revista Veja e, segundo a publicação, confirmou o encontro e o teor da conversa entre ele e Moro.

NOVO VAZAMENTO

Novos diálogos revelados nesta sexta-feira (5) pela revista Veja, em parceria com o The Intercept Brasil, apontam que o atual ministro da Justiça orientou procuradores da força-tarefa da operação Lava Jato a incluir provas na peça de acusação elaborada pelo MPF (Ministério Público Federal).

As mensagens também indicam que o magistrado pautou, enquanto juiz federal, datas para realizações de pelo menos duas operações e fez pressão para que determinadas delações não andassem.

Iniciada dia 9 de junho pelo The Intercept Brasil, a série de revelações de conversas mantidas com procuradores através do aplicativo Telegram aponta supostas interferências de Moro nas investigações da Lava Jato e colocou em xeque a parcialidade do magistrado na condução dos processos.

OUTRO LADO

Procurados pela revista Veja, Dalla­gnol e Moro alegaram terem compromissos de agenda e não quiseram receber a reportagem pessoalmente, uma condição estabelecida por Veja. Eles solicitaram que os arquivos fossem enviados a eles de forma virtual.

Mesmo sem saber o conteúdo das mensagens, a assessoria do Ministério da Justiça enviou a seguinte nota: “A revista Veja se recusou a enviar previamente as informações publicadas na reportagem, não sendo possível manifestação a respeito do assunto tratado. 

Mesmo assim, cabe ressaltar que o ministro da Justiça e Segurança Pública não reconhece a autenticidade de supostas mensagens obtidas por meios criminosos, que podem ter sido adulteradas total ou parcialmente e que configuram violação da privacidade de agentes da lei com o objetivo de anular condenações criminais e impedir novas investigações. Reitera-­se que o ministro sempre pautou sua atuação pela legalidade”. Com informações do site Yahoo Notícias.