Plantão Policial

Cachorro vira 'funcionário' de posto de gasolina após ser abandonado

Além de melhor amigo do homem, os cães também são ótimas companhias na hora do trabalho. Pelo menos é o que defende Sabrina Plannerer, dona de um posto de gasolina em Mogi das Cruzes (SP). Há dois anos, a empresária adotou o cachorro Negão, que havia sido abandonado. 

Ela cuidou dele, levou ao veterinário, deu vacinas e comprou ração. Hoje, Negão circula pelo posto de gasolina de Sabrina em busca do carinho dos clientes. O que chama atenção é que ele faz tudo isso de uniforme e crachá, como se fosse um funcionário. "Quando compramos o posto de gasolina, o local estava fechado e encontramos o Negão lá.
Ele já devia ter uns seis ou sete anos. Nós decidimos adotá-lo e hoje ele não sai do posto", disse Sabrina ao "F5". O posto fica aberto 24 horas e Negão está sempre lá, fazendo companhia para os funcionários que trabalham na madrugada. 

No início, porém, a empresária ficou preocupada que o animal pudesse fugir. "Ficamos com medo de que quando abríssemos ao público, o Negão pudesse fugir, ou assustar os clientes. Mas quando inauguramos ele foi incrível! Não saiu de perto da gente, nunca quis escapar para a avenida, só fica deitado esperando carinho", contou Sabrina.
Além de alegrar funcionários e clientes, a função de Negão no posto também inclui ajudar na publicidade do local, já que o boné de frentista que o cachorro usa chama a atenção de quem passa por perto. A ideia de vestir o animal como se fosse um funcionário veio de Sabrina, que queria que as pessoas o identificassem como sendo do posto. 

"Não queria correr o risco de alguém ficar com medo dele, porque ele é grandão. Mas claro, também colocamos o uniforme porque ia ficar engraçado", disse a empresária. Ela ainda disse que Negão é "supereducado" e que os clientes o adoram, levando brinquedos para o cachorro. Sabrina, que gosta de animais e costuma cuidar daqueles que acha pelas ruas de Mogi das Cruzes, espera que a ação possa incentivar outras pessoas a adotarem animais abandonados. Fonte: Folha de São Paulo.