• Plantão Recôncavo News

    terça-feira, 25 de julho de 2017

    Pais, professores e médicos estão entre os 30 pedófilos presos pela Policia Federal

    A Polícia Federal prendeu 27 pessoas em flagrante e três preventivamente até às 10h20 desta terça-feira (25), no âmbito da Operação Glasnost, que combate a exploração sexual de crianças e o compartilhamento de pornografia infantil na internet. Na Bahia, foram presas 3 pessoas em Feira de Santana, Santo Antônio de Jesus e Jitaúna.  Ao todo foram emitidos 71 mandados de busca e apreensão, três de prisão preventiva e dois de condução coercitiva. Participam da operação 350 policiais de 30 unidades da PRF em 14 estados. Além de brasileiros, foram identificados abusadores americanos, franceses e russos; as informações foram encaminhadas para as autoridades locais.
    Durante o monitoramento nas investigações, os policiais descobriram casos de abuso em tempo real. A informação foi repassada aos responsáveis e nove dos abusadores foram presos, no final de 2014. “Praticamente todos os envolvidos praticaram crime de compartilhamento de pornografia infantil. O fato de armazenar imagens já configura crime. Também tem abuso de vulnerável, produção de pornografia, todos esses crimes aparecem”, explicou o delegado. O crime com pena mais branda é a posse de pornografia, com pena de 4 anos e cabe fiança. Abuso é crime hediondo e não costuma ser afiançável, segundo a PF.
    A investigação é concentrada em Curitiba, mas os mandados de prisão foram autorizados pelos juízos de cada região. Um estudante de medicina, preso na capital em 2010, mencionou a existência do site russo de compartilhamento de pornografia. Em Vila Velha foi identificado um pai que abusava da filha, produziu imagens e compartilhou no site. Ele foi identificado e preso na operação. Em Jundiaí uma pessoa passava na rua fotografando crianças e chegou a cometer crimes. Ele também foi preso. Em Praia Grande, foi preso o pai abusou da filha até os 8 anos de idade na casa da avó da menina. Ele compartilhava as imagens nas redes e afirmou que parou por medo da criança contar para as amigas. Em Bauru um porteiro tirava fotos das crianças do condomínio e tentava aliciar. Ele é suspeito de abuso.