• Plantão Recôncavo News

    segunda-feira, 31 de julho de 2017

    Após superação de um câncer, jovem de 20 anos luta para superar sequelas, saiba como ajudar

    Em 2011 Bianca Prescovia descobriu uma leucemia. Aos 14 anos, a menina buscou em histórias de superação a força para enfrentar os três anos e meio de tratamento que viriam pela frente. Curada há dois anos, hoje, aos 20 anos, ela enfrenta um novo desafio: vencer as osteoneroses que apareceram em suas articulações como sequela do tratamento agressivo contra o câncer. A família de Bianca consultou vários médicos em busca de um tratamento, mas o indicado foi que a menina seja levada à França para se submeter a uma cirurgia com células-tronco, que serão retiradas da própria medula dela. Como ela já teve leucemia, o tratamento teria que ser realizado aos poucos para não agredir a medula.

    O custo total é estimado em R$ 500 mil e a família lançou uma campanha para tentar levantar o dinheiro. "O valor é muito alto. A gente precisa muito de ajuda porque a minha filha corre o grande risco de parar de andar", diz a mãe de Bianca, Elis Prescovia. A osteonerose é uma doença que impede que o sangue chegue aos ossos e provoca muitas dores, além de comprometer a mobilidade. "Quando eu faço algum movimento, a dor irradia, é muito forte e me impede de fazer coisas do dia-a-dia, como andar. É muito difícil", conta Bianca. O mais comum é que a osteonecrose apareça no quadril, mas, no caso dela, foram afetados também os ombros, cotovelos, punhos, tornozelos e joelhos e ela já está usando uma cadeira de rodas para se locomover. Desde a primeira doença, Bianca é um exemplo de determinação e otimismo. Ela enfrentou o câncer de cabeça erguida e perucas coloridas para "enfeitar" a careca.

    Durante os anos que passou por quimioterapia e radioterapia, ela contou sua história por meio de uma página no Facebook, que hoje tem mais de 36 mil seguidores. Ela também se envolveu em campanhas de doação de sangue e de medula óssea, mesmo não precisando de um transplante. Sua popularidade era tão grande, que a menina foi convidada pelo Ministério da Saúde para participar de uma campanha oficial sobre doação de sangue. Agora, diante do novo diagnóstico, ela não perdeu o otimismo. "Eu tenho fé que vou conseguir esse tratamento e vou poder voltar a estudar para ser médica e ajudar as outras pessoas como eu fui e estou sendo ajudada", diz. Quem quiser saber mais sobre a história da Bianca e ajudar a espalhar a campanha pode procurar pela página Bianca Prescovia no Facebook ou pelo perfil BiancaPresc no Instagram. Fonte: O Tempo.