• Plantão Recôncavo News

    quinta-feira, 23 de março de 2017

    EFEITO CASCATA: Frigoríficos começam a fechar as portas e demitir funcionários

    Foto: Regional Press.
    O mundo fechou as portas à carne brasileira e começaram as demissões nos frigoríficos. Com a queda nas vendas, frigoríficos administrados pela Central de Carnes Paranaense demitiram 280 funcionários nesta quarta-feira. Na terça, as exportações já haviam caído de US$ 63 milhões por dia para US$ 74 mil. O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, calcula que os prejuízos com a Operação Carne Fraca podem chegar a US$ 1,5 bilhão.
    Os frigoríficos Master Carne e Souza Ramos, em Colombo, na região metropolitana de Curitiba, fecharam as portas e demitiram 280 funcionários — 150 e 130 respectivamente. Eles alegam que com a deflagração da Operação Carne Fraca, na qual ambos os frigoríficos estão envolvidos, as vendas despencaram e centenas de pedidos foram adiados. Na tarde de terça-feira, a unidade da BRF, de Toledo, anunciou férias coletivas para seus 1,7 mil funcionários.
    O Frigorífico Souza Ramos já esteve envolvido em irregularidades anteriormente por ter supostamente comercializado 14 toneladas de salsichas fora dos padrões e também substituído perus por frangos no fornecimento de merenda escolar no Paraná, em uma operação de 2014. Logo após vencer o contrato, a BRF — que havia perdido — denunciou a empresa por ela não ter o porte necessário para o fornecimento da quantidade exigida.
    A JBS decidiu suspender temporariamente a compra de bovinos para abate nas 11 plantas frigoríficas da empresa em Mato Grosso. A suspensão foi confirmada pela Associação de Criadores de Gado de Mato Grosso (Acrimat) e começou na terça-feira, em Araputanga e Pontes e Lacerda. A empresa justifica que a medida foi necessária para "evitar estoques".
    A empresa tem 15 unidades no Estado, sendo 11 destinadas ao abate bovino. As indústrias de abate processam 21 mil animais por dia. Em nota, a JBS comunicou que "no momento está operando seu abate conforme o previsto nesta semana, no entanto, está avaliando o mercado e vai adotar as medidas necessárias para adequação do volume de produção à demanda de mercado". Em entrevista à imprensa local, o superintendente da Acrimat, Luciano Vacari, disse que foi informado "por meio de telefonema que o abate está suspenso durante esta semana porque os compradores do mercado externo estão pedindo prazo para analisar as possibilidades de embargo".  Fonte: Clic RBS.