terça-feira, 28 de março de 2017

Recôncavo News

Criança de 4 anos volta de escola sem 2 dentes e diz a mãe: Foi um “tio” que me fez isso

A Polícia Civil do Distrito Federal vai ouvir, nesta terça-feira (28), a criança de 4 anos que perdeu os dois dente da frente enquanto estava no Centro de Educação Infantil nº 1 do Riacho Fundo, na última sexta-feira (24). Segundo a mãe do menino, Cinthia Souza Santos de Almeida, ele vai conversar com psicólogos na Delegacia da Criança e do Adolescente e depois será levado ao Instituto Médico Legal.
A coordenadora regional de ensino do Núcleo Bandeirante, responsável pelo caso, Francimar Moreira, informou que o diretor e o vice-diretor da instituição também serão ouvidos por policiais nesta terça. A mãe do menino registrou um Boletim de Ocorrência na delegacia ainda na sexta-feira. De acordo com o relato feito à polícia, a mãe teria ouvido de uma funcionária que a criança estava trancada dentro do banheiro da escola pública. Depois de muita conversa, o menino teria destrancado a porta, e somente nesse momento, a funcionária da escola teria percebido que o garoto estava sem os dois dentes.
A coordenadora da regional de ensino disse que os banheiros que ficam no interior das salas não têm trancas. Ela apontou ainda que o menino correu em direção ao sanitário quando a professora, ao fazer a fila após as brincadeiras no parquinho infantil, notou a presença de sangue no uniforme. A coordenadora disse que uma supervisora pedagógica foi acionada e prestou a assistência necessária, inclusive fazendo a apuração do episódio, visto que o aluno “não relatou e nem reclamou sobre o caso para a professora”.
Na segunda (27), os responsáveis pela escola e coordenadora da regional se reuniaram com Cinthia. Francimar apontou que, durante o encontro, um colega contou ter visto o menino bater a boca em um escorregador do parquinho. Questionada pela reportagem sobre a existência do escorregador e a interdição do brinquedo, a coordenadora de ensino informou que “não tinha esses dados”. Ao relatar o ocorrido à mãe, a criança disse que um “tio” teria feito aquilo. A coordenadora da regional indicou que três homens trabalham na escola, e que na sexta-feira apenas dois estavam na instituição: o vice-diretor e um funcionário que cuida da merenda e teria ido ao colégio para buscar o filho, que também estuda no centro de educação.
No parquinho, duas professoras cuidavam de aproximadamente 50 crianças de duas turmas, conforme apontou Francimar. “Já imaginou 50 crianças em um mesmo espaço? Você tem apenas uma visão universal da coisa. A profissional não viu o que aconteceu em razão da quantidade de alunos”, indicou a coordenadora. “Mas em nenhum momento ele teve contato com algum ‘tio’”, disse Francimar. No Boletim de Ocorrência, consta que a mãe levou o menino a um dentista. Segundo a denúncia, o profissional afirmou não haver indícios de trauma ou pancadas que resultassem na perda dos dentes. Sendo assim, o dentista afirmou que eles foram extraídos intencionalmente. Fonte: G1.