• Plantão Recôncavo News

    quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

    FINAL FELIZ: Após 36 anos mãe encontra filha na Bahia, que acreditava estar morta

    Foto: Giro Ipiaú.
    O caso de Orlânia Boaventura dos Santos, de 36 anos de idade, moradora do bairro Antônio Lourenço, em Ipiaú, é semelhante à um enredo de novela. A história teve início na cidade baiana de São João do Paraíso. Aos três meses de idade, os pais de Orlânia se separaram e a criança fica com o pai. Devido a falta de condições financeiras da mãe em cria-la, o casal decidiu em comum acordo que o bebê ficaria com o pai. Meses depois, o homem conhece uma mulher com quem se casa, formando outra família. A menina então passou a ser criada pela avó. Um ano e meio após a separação, a mãe de Orlânia encontra um irmão do ex-companheiro, a quem pergunta sobre a sua filha. 
    Foto: Giro Ipiaú.
    Por conta de alguns conflitos na família, o homem resolve mentir, informando que a criança tinha sofrido uma doença e veio a falecer. “Como na época ele não gostava de mim, ele falou que a menina ficou muito doente e que tinha morrido. Aí, um ano e pouco depois eu fui embora para o Rio de Janeiro”, conta dona Nalva Maria Boaventura, 58, mãe de Orlânia. A menina cresceu e sempre sonhou em um dia encontrar a mãe. Já dona Nalva resolveu enterrar o passado e, no Rio, conhece um homem, se casa e tem quatro filhos.

    Passados os anos, em agosto de 2016, Orlânia comenta com a prima Índira sobre a vontade de conhecer sua mãe. A jovem então, conta o caso para o policial militar Jackson Fagundes, especialista em realizar encontros entre parentes afastados pelo tempo. Ele resolve fazer uma busca e encontra pistas da mãe de Orlânia. A princípio, após contato telefônico com os filhos de dona Nalva, eles negam ter uma irmã na Bahia. Depois de muitas ligações do PM, Nalva Boaventura lembra-se de sua filha que acreditava estar morta. Ainda em agosto do ano passado, as duas iniciaram as conversas via telefone e aplicativo whatsapp. 

    No último dia 03 de fevereiro, dona Nalva viajou para a Bahia e foi recebida por Orlânia no terminal rodoviário de Ubaitaba. Há uma semana, mãe e filha estão juntas, em Ipiaú, aproveitando cada instante para remontar o sentimento que por 36 anos esteve oculto. Hoje, Orlânia é casada e mãe de três filhos. Ela fez questão de se registrasse os agradecimentos ao seu esposo, a prima Índira e ao PM Jackson Fagundes, pessoas que segundo ela não mediram esforços para realizar o encontro. Dona Nalva volta neste sábado para o Rio de Janeiro, mas na certeza que a distância geográfica não será capaz de mantê-las afastadas novamente. Fonte: Giro Ipiaú.