terça-feira, 12 de abril de 2016

Recôncavo News

Mulher morre vítima do Vírus H1N1 no interior da Bahia

Uma mulher que estava internada no Hospital Geral de Vitória da Conquista com suspeita de estar contaminada com o vírus Influenza A/H1N1 morreu na madrugada desta terça-feira (12/3), após o agravamento do estado de saúde. 

De acordo com o serviço social do hospital, Thailane Souza estava internada na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) desde sexta-feira passada, com febre alta, insuficiência respiratória e hemorragia. Amostras de sangue da mulher foram coletados para confirmar se ela estava contaminada com o H1N1, e enviados para a Secretaria de Saúde da Bahia. Thailane era casada e mãe de um menino de 3 anos. 

Ela trabalhava no Shopping Conquista Sul. Na última segunda-feira, em Vitória da Conquista, foi confirmado o primeiro caso positivo para o H1N1, informou a Secretaria Municipal de Saúde. 

A pessoa diagnosticada com já teve alta do hospital, segundo a Prefeitura. Até esta segunda, segundo a Vigilância Epidemiológica do Município, já foram notificados 20 casos suspeitos, destes 5 foram negativos e 1 inconclusivo, além do positivo. 

A Prefeitura informa que está monitorando todos os casos suspeitos internados na rede hospitalar, com informações a respeito da doença e oferta da medicação utilizada no tratamento de H1N1. A Secretaria de Saúde orienta que sejam evitados os lugares com grandes aglomerações de pessoas e que o cidadão procure os prontos-socorros somente se os sintomas se agravarem. 

Aos primeiros sinais da doença, o cidadão deve procurar a unidade de saúde mais próxima. Além disso, é importante manter as mãos sempre limpas, lavando-as com água e sabão ou utilizando álcool em gel. Outra medida de prevenção é a vacina contra a gripe. A previsão é que ela esteja disponível nos postos e unidades de saúde da cidade a partir do dia 18 de abril. O Dia “D” da campanha permanece em 30 de abril. 

A vacina é destinada aos seguintes grupos prioritários: crianças de 6 meses a menores de 5 anos; gestantes; puérperas; trabalhador de saúde; povos indígenas; indivíduos com 60 anos ou mais de idade; população privada de liberdade; adolescentes e jovens que estão cumprindo medidas socioeducativas; funcionários do sistema prisional; pessoas portadoras de outras condições clínicas especiais (doenças respiratória crônica, cardíaca crônica, renal crônica, hepática crônica, neurológica crônica, diabetes, imunossupressão, obesos, transplantados e portadores de trissomias). Fonte: Aratu Notícias.