terça-feira, 26 de abril de 2016

Recôncavo News

Líderes cristãos são enterrados vivos por protestarem contra a demolição de igreja na China

Um líder da cristão e sua esposa foram enterrados vivos na província central de Henan da China, após protestarem contra a demolição de sua igreja, ordenada pelo Partido Comunista. O homem conseguiu conseguiu escapar, mas sua não resistiu e acabou morrendo.

A organização 'China Aid' relatou a notícia macabra na última segunda-feira (18), lembrando que a tragédia ocorreu na semana passada, na Igreja Beitou em Zhumadian, na província de Henan. 

Autoridades do governo comunista teriam ordenado a demolição da igreja, após Li Jiangong - líder da comunidade cristã - e sua esposa, Ding Cuimei, se recusarem a entregar o terreno da igreja para um investidor local.

O casal decidiu tentar impedir a demolição e entrou na frente dos oficiais para intimidá-los, mas foram propositadamente empurrados para uma vala, onde uma escavadora cobriu seus corpos com terra.

"Clamando por ajuda, Li foi capaz de cavar e fugir, mas Ding [esposa] morreu sufocada, antes que pudesse ser resgatada", afirma o relatório.

Os dois oficiais responsáveis ​​pelo crime teriam sido detidos pelas autoridades, segundo uma equipe de investigação criminal do gabinete de segurança pública.

De acordo com a 'China Aid', um dos membros da equipe de demolição chegou a gritar, dando a ordem: "os enterrem vivos para mim. Eu serei responsável por suas vidas".

O presidente da 'China Aid', Bob Fu falou sobre o crime brutal, dizendo, "intimidar e enterrar viva, Ding Cuimei, uma mulher cristã pacífica e devota, foi um ato cruel, assassino".

Fu acrescentou em um comunicado: "Este caso é uma grave violação dos direitos à vida, à liberdade religiosa e Estado de Direito. As autoridades chinesas devem prender, imediatamente os assassinos responsáveis ​​e tomar medidas concretas para proteger a liberdade religiosa dos membros desta igreja".

Os cristãos na China têm sido fortemente perseguidos ao longo dos últimos dois anos pelo Partido Comunista, devido a seus números rapidamente crescentes. Embora as autoridades chinesas afirmem que as demolições da igreja e a remoção forçada de cruzes dos templos estejam relacionadas à violação do código de construção do país. Ativistas de direitos humanos e outros líderes cristãos disseram que a perseguição é clara contra um grupo religioso específico (cristãos).

"O governo do país está cada vez mais preocupado com o rápido crescimento da fé cristã, sua presença pública e sua influência social", disse Bob Fu, em fevereiro.

"É um temor político por parte do Partido Comunista, enquanto o número de cristãos no país superam em muito o de membros do partido", acrescentou.

A segmentação dos cristãos na China também atingiu os níveis mais elevados, nomeadamente com a prisão no início do Rev. Gu Yuese neste ano (2016), o ex-líder da Igreja Chongyi de Hangzhou, a maior igreja sancionada pelo governo no país.

Gu, que havia se manifestado contra as remoções de cruzes dos templos, foi formalmente detido sob a acusação de 'peculato' e foi 'liberto' no início de abril.

Grupos como o 'International Christian Concern' disseram que, embora seja uma boa notícia que o pastor esteja fora da prisão, o Partido Comunista teria tomado tal decisão, apenas devido "à visita do presidente chinês aos Estados Unidos", referindo-se a reuniões do presidente Xi Jinping com US O presidente Barack Obama.

"Pastor Yuese não está completamente fora de perigo por causa de vigilância residencial poderia provavelmente ser ou tornar-se da prisão negra notório. Se ele é colocado sob suas regras restritivas, ele não terá permissão para deixar sua casa ou falar com ninguém", disse ICC em A Hora.