quarta-feira, 23 de março de 2016

Recôncavo News

Mulher leva murro no rosto em festa e acusa segurança

A turismóloga Andreia Barco, de 41 anos, está com um hematoma no olho por conta de um murro que levou por um segurança quando estava em uma festa em Salvador. Ela e o marido levavam a afilhada de 16 anos para comemorar o aniversário, que foi no dia 16 de março, mas festejado no dia 19, um sábado, durante um show da banda Aviões do Forró no Wet'n Wild.
A mulher procurou a 10° Delegacia Territorial (DT/ Pau da Lima) e registrou o caso no domingo (20). Na segunda (21), ela foi ao Instituto Médico Legal (IML) fazer exame de corpo de delito. A situação foi confirmada pela unidade, contudo não há mais detalhes sobre a investigação. Andreia relata que todos estavam no camarote do evento e a afilhada dela teria saído da festa para ir ao carro, que estava estacionado nas imediações da casa de eventos, com o objetivo de guardar uns copos que ganhou como brinde.
Porém, quando a adolescente retornou para a entrada da festa foi barrada pelos seguranças. Ao questionar o motivo da garota não entrar mais na festa, Andreia foi agredida por um deles. "Estou com um hematoma que mal consigo abrir o olho, sinto muitas dores pelo corpo", disse.
O diretor da empresa responsável pelo evento, o grupo Notável, Bruno Melo, disse que a empresa já localizou um suspeito da agressão. "Já entramos em contato com ela e temos um suspeito. Vamos direcionar essa pessoa, o nome e o endereço, para tomar as providências cabíveis. Tanto por ela quanto pela Justiça quanto para a gente. Só ressaltando, não foi a empresa de segurança, foi a de validação de ingressos”, afirmou.
A empresa responsável pelo evento também informou que duas pessoas que não participaram diretamente do ato, mas foram omissas à situação, já foram identificadas. Contudo, ainda não há detalhes da decisão da empresa com relação a elas.
A turismóloga confirma o apoio da empresa. Sobre a agressão, ela relatou que não levou apenas um murro, como também foi empurrada e caiu no chão. "Assistimos ao primeiro show e, durante o intervalo para a próxima apresentação, minha afilhada foi até o carro, pois não posso andar muito, uso prótese no quadril e sou portadora de necessidades especiais. Quando minha afilhada foi abordada na porta, o segurança falou que algumas pessoas estavam tirando a pulseira da festa e dando a outras pessoas, e por isso não deixaria que ela entrar", contou. Fonte: G1.